Serra Azul Notícias

Terça-feira, 23 de Julho de 2024
Brigadista que combatia queimadas na Ilha do Bananal é assassinado na porta de casa; O que se sabe até o momento sobre o caso

Policial

Brigadista que combatia queimadas na Ilha do Bananal é assassinado na porta de casa; O que se sabe até o momento sobre o caso

Sidiney de Oliveira Silva tinha 44 anos e trabalhava a serviço das equipes do Prevfogo, ligado ao Ibama. A Polícia Civil deve montar uma força-tarefa para investigar o crime.

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

A morte do brigadista Sidiney de Oliveira de 44 anos chocou a região de Formoso do Araguaia, no sul do Tocantins. No sábado (15), ele foi baleado com dois tiros na porta de casa. A Polícia Civil deve montar uma força-tarefa para investigar o crime.

Confira, abaixo, o que se sabe até o momento sobre o crime:

Quem era o brigadista e onde atuava

Casado e pai de três filhos, Sidiney era ambientalista e brigadista experiente, contratado do programa Pevfogo, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Ele atuava no combate a incêndios florestais, em defesa da região da Ilha do Bananal e dentro dos territórios indígenas do Parque Nacional do Araguaia.

Leia Também:

Em 2023, Sidiney também participou do combate a um incêndio de grandes proporções registrado nas proximidades da Mata do Mamão, considerada um santuário ecológico com a maior área de vegetação nativa da região, unindo os biomas do cerrado, pantanal e amazônico.

Pelo vasto conhecimento na Ilha do Bananal, Sidiney deu apoio logístico às equipes da Funai em 2019, quando foram avistados indígenas isolados durante um sobrevoo de helicóptero. Ele também era presidente da Associação de Brigadistas da Brigada Federal (Brif) Nordeste.

Investigação de assassinato terá força-tarefa

Até a noite desta segunda-feira (17), nenhum suspeito do crime havia sido preso. Também não havia informações sobre a motivação do assassinato de Sidiney.

O diretor da Diretoria de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (DRACCO), Afonso Lyra, explicou que a apuração foi reforçada por uma equipe de investigadores para tentar desvendar o caso mais rápido possível.

Além desse apoio, equipes da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Gurupi também ajuda nessa apuração.

Como o caso corre em sigilo, não foram repassados detalhes sobre como está a apuração. Mas a Polícia Civil informou que trabalha com diversas linhas de investigação que possam ter motivado o assassinato de Sidiney.

Como o crime aconteceu contra uma pessoa que atuava na região da Ilha do Bananal e do Parque Estadual do Araguaia, a investigação é acompanhada pela Polícia Federal. Mas o caso não está federalizado.

Brigadista Sidiney Silva é assassinado em Formoso do Araguaia — Foto: Reprodução/redes sociais

Brigadista Sidiney Silva é assassinado em Formoso do Araguaia — Foto: Reprodução/redes sociais

 

Caso a Polícia Civil precise, equipes da Força Integrada de Combate ao Crime Organizado no Tocantins (FICCO/TO) - que integra equipes de várias polícias, inclusive a Federal - poderão ajudar a apurar as circunstâncias da morte do brigadista.

Irmã ouviu 'explosões' e encontrou corpo

Por volta das 7h30 de sábado (15), uma testemunha contou que ouviu duas 'explosões' na rua 2, região central de Formoso do Araguaia. Ao chegar à porta, viu que havia um homem caído perto do portão de casa.

A testemunha em questão, segundo informou a Polícia Militar (PM), era a irmã de Sidiney, que viu o brigadista agonizando no chão e pediu socorro. Uma ambulância foi até o endereço, mas a equipe apenas atestou a morte.

Após ser liberado do Instituto Médico Legal de Gurupi, o corpo do brigadista foi velado durante o sábado e enterrado no domingo (16), no cemitério municipal de Formoso do Araguaia.

Disparos partiram de casa abandonada

 

Brigadista atuava em defesa da Ilha do Bananal — Foto: Reprodução

Brigadista atuava em defesa da Ilha do Bananal — Foto: Reprodução

 

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), a investigação apontou que a arma utilizada foi uma espingarda cartucheira.

Foi possível identificar também que os tiros foram disparados de uma casa abandonada que fica na frente ao local que ele estava quando foi morto.

Um vizinho relatou à polícia que antes de amanhecer, viu uma motocicleta parada na esquina. Nela estava um homem de jaqueta e capacete observando o local.

No boletim de ocorrência consta que Sidiney se levantou por volta de 7h30 e estava verificando a água e óleo do carro quando foi atingido pelos tiros.

 
FONTE/CRÉDITOS: G1 Tocantins
FONTE/CRÉDITOS (IMAGEM DE CAPA): Imagem: reprodução
Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )